quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Feliz Ano Novo!!!

Postado por Beli às 22:45 7 Engraçadinhos Links para esta postagem
"Para sonhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre."

Carlos Drummond de Andrade

Ache essas e outras imagens no site Mensagens & Imagens

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Oração dos Estressados - Luís Fernando Veríssimo

Postado por Beli às 12:14 4 Engraçadinhos Links para esta postagem
Que tal começar o próximo ano com essa oração... ¬¬

Oração dos Estressados

Senhor, dê-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar,

a coragem para mudar as coisas que não posso aceitar
e a sabedoria para esconder os corpos daquelas pessoas que eu tive que matar por estarem me enchendo o saco.

Também, me ajude a ser cuidadoso com os calos em que piso hoje, pois
eles podem estar conectados aos sacos que terei que puxar amanhã.

Ajude-me, sempre, a dar 100% no meu trabalho...
- 12% na segunda-feira,
- 23% na terça-feira,
- 40% na quarta-feira,
- 20% na quinta-feira,
- 5% na sexta-feira.

E... Ajude-me sempre a lembrar,
quando estiver tendo um dia realmente ruim e todos parecerem estar me enchendo o saco,
que são necessários 42 músculos para socar alguém e apenas 4 para estender meu dedo médio e mandá-lo para aquele lugar...

Que assim seja!!!

Viva todos os dias de sua vida como se fosse o último.
Um dia, você acerta.
Luís Fernando Veríssimo

domingo, 26 de dezembro de 2010

Hoje de Manhã Saí Muito Cedo - Alberto Caeiro

Postado por Beli às 14:09 4 Engraçadinhos Links para esta postagem
Hoje de Manhã Saí Muito Cedo

Hoje de manhã saí muito cedo,
Por ter acordado ainda mais cedo
E não ter nada que quisesse fazer...

Não sabia por caminho tomar
Mas o vento soprava forte, varria para um lado,
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.

Assim tem sido sempre a minha vida, e
assim quero que possa ser sempre —
Vou onde o vento me leva e não me
Sinto pensar.

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando Pessoa





sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

E chegou Natal...

Postado por Beli às 10:01 0 Engraçadinhos Links para esta postagem
E chegou Natal... Estou "passada" de como o tempo "passou" rápido!
Tantas coisas aconteceram... e o tempo ainda está corrido...
Mas não podia deixar de desejar a todos que passam por aqui um
FELIZ NATAL!!!!


"Sugestões de presente para o Natal: Para seu inimigo, PERDÃO. Para um oponente, TOLERÂNCIA. Para um amigo, SEU CORAÇÃO. Para um cliente, SERVIÇO. Para tudo, CARIDADE. Para toda criança, UM EXEMPLO BOM. Para você, RESPEITO ".

Oren Arnold


"O Natal é um tempo de benevolência, perdão, generosidade e alegria. A única época que conheço, no calendário do ano, em que homens e mulheres parecem, de comum acordo, abrir livremente seus corações."

Charles Dickens


E como lembra tão bem essa frase:

 "Natal, minha criança, é amor em ação. Toda vez que nós amamos, toda vez que nós damos, é Natal."

Dale Evans Rogers

UM NATAL DE MUITA ALEGRIA E PAZ!!! ^^

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

"...do amor um cálculo matemático errado..." - Clarice Lispector

Postado por Beli às 08:48 4 Engraçadinhos Links para esta postagem
"Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil."

Clarice Lispector

"Mais vale um homem lento à cólera..."

Postado por Beli às 08:39 1 Engraçadinhos Links para esta postagem
"Mais vale um homem lento à cólera do que um herói, e um homem senhor de si do que o conquistador de uma cidade."

Textos bíblicos

sábado, 18 de dezembro de 2010

No Coração, Talvez - José Saramago

Postado por Beli às 07:46 12 Engraçadinhos Links para esta postagem
No Coração, Talvez


No coração, talvez, ou diga antes:
Uma ferida rasgada de navalha,
Por onde vai a vida, tão mal gasta.
Na total consciência nos retalha.
O desejar, o querer, o não bastar,
Enganada procura da razão
Que o acaso de sermos justifique,
Eis o que dói, talvez no coração.
José Saramago, in "Os Poemas Possíveis"

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Um Silêncio Cauto e Prudente é o Cofre da Sensatez - Umberto Eco

Postado por Beli às 13:33 7 Engraçadinhos Links para esta postagem
Um Silêncio Cauto e Prudente
é o Cofre da Sensatez

"(...) Vós quereis tentar a sorte na grande cidade, e sabeis bem que é lá que deveis gastar essa aura de valentia que a longa inacção dentro destas muralhas vos houver concedido. Procurareis também a fortuna, e devereis ser hábil a obtê-la. Se aqui aprendeste a escapar à bala de um mosquete, lá deveis aprender a saber escapar à inveja, ao ciúme, à rapacidade, batendo-vos com armas iguais com os vossos adversários, ou seja, com todos. E portanto escutai-me. Há meia hora que me interrompeis dizendo o que pensais, e com o ar de interrogar quereis mostrar-me que me engano. Nunca mais o façais, especialmente com os poderosos. Às vezes a confiança na vossa argúcia e o sentimento de dever testemunhar a verdade poderiam impelir-vos a dar um bom conselho a quem é mais do que vós. Nunca o façais. Toda a vitória produz ódio no vencido, e se se obtiver sobre o nosso próprio senhor, ou é estúpida ou é prejudicial. Os príncipes desejam ser ajudados mas não superados.

Mas sede prudente também com os vossos iguais. Não humilheis com as vossas virtudes. Nunca falei de vós mesmos: ou vos gabaríeis, que é vaidade, ou vos vituperaríeis, que é estultícia. Deixai antes que os outros vos descubram alguma pecha venial, que a inveja possa roer sem demasiado dano vosso. Devereis ser de bastante e às vezes parecer de pouco. A avestruz não aspira a erguer-se nos ares, expondo-se a uma exemplar queda: deixa descobrir pouco a pouco a beleza das suas plumas. E sobretudo, se tiverdes paixões, não as ponhais à vista, por mais nobres que vos pareçam. Não se deve consentir a todos o acesso ao nosso próprio coração. Um silêncio cauto e prudente é o cofre da sensatez."
Umberto Eco, in 'A Ilha do Dia Antes'



"A vida..." - Charles Chaplin

Postado por Beli às 00:43 5 Engraçadinhos Links para esta postagem
"A vida é uma tragédia quando vista de perto, mas uma comédia quando vista de longe."

Charles Chaplin

domingo, 12 de dezembro de 2010

Mafalda... questionadora como sempre!

Postado por Beli às 10:51 4 Engraçadinhos Links para esta postagem
Para quem não sabe, os quadrinhos da Mafalda foi criado pelo cartunista Quino, nos anos 70, em uma época na qual a Argentina vivia uma Ditadura Militar, semelhante com a que vivemos no Brasil. A Mafalda é uma menina de 7 anos, curiosa e crítica, sempre questiona o mundo no qual vivemos.
Os quadrinhos abaixo é dos anos 70, quando todos sonhavam com uma Democracia reestabelecida e a resistência ao governo fazia toda a diferença... 


"A situação é insustentável. E me pergunto até que ponto sou responsáveis por ela: Não colaboro diariamente com a 'barbarie'? Creio que é a hora de passar a ação e tratar de mudar as coisas. Viva a Resistência!"










Adoro a Mafalda! kkk

Aqui no Brasil, apesar da Democracia reestabelecida em 1985 (ano que nasci), ainda não a exercemos plenamente...
Foi se a época de grandes manifestações sociais e o povo agia, intervindo no futuro do país... Hoje são poucos os que se manifestam. Quase não existe movimentos sociais políticos ou quer saber o que o governo anda fazendo. Há muitas discussões sobre o assunto, sobre o por que vivemos neste marasma politico e não mais aquelas grandes manifestações que foi tão ativa nos anos 70, 80 e começo dos 90... mas nada é feito concretamente.
Muitas soluções para os problemas que vivemos no Brasil está na mão do povo, ou seja, nas nossas mãos... Afinal, é isso a Democracia!  

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

"...Desconfie do destino..." - Luís Fernando Veríssimo

Postado por Beli às 21:11 6 Engraçadinhos Links para esta postagem
"Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu."

Luís Fernando Veríssimo

Imagem: Quadro de Romero Brito

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Uma vírgula muda tudo!

Postado por Beli às 12:57 4 Engraçadinhos Links para esta postagem
Achei essa curiosidade sobre  o uso da vírgula em um almanaque de farmácia. Conhece a vírgula, aquele sinal que quando falta ou sobra em um texto, pode mudar todo o sentido de uma informação. Na verdade, essa é uma campanha da ABI (Associação Brasileira de Imprensa), em comemoração dos seus 100 anos.

Uma vírgula muda tudo!

ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação.

1. Vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere.

2. Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.

3. Pode ser autoritária.
Aceito, obrigado.
Aceito obrigado.

4. Pode criar heróis.
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.

5. E vilões.
Esse, juiz, é corrupto.
Esse juiz é corrupto.

6. Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

7. A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.


8. A vírgula pode condenar ou salvar.
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!


É, uma vírgula muda tudo...

Detalhes Adicionais:

Leia a frase e coloque a vírgula:

SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.




***Se você é mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER...
SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER, ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.

***Agora, se é homem, colocou a vírgula depois de TEM...
SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM, A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.


Mudou completamente o sentido, não é?
Então, cuidado com as vírgulas!

^^v






domingo, 5 de dezembro de 2010

"Não ame pela beleza..." - Madre Tereza de Calcutá

Postado por Beli às 19:44 7 Engraçadinhos Links para esta postagem
"Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba. Não ame por admiração, pois um dia você se decepciona. Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação."

Madre Tereza de Calcutá


sábado, 4 de dezembro de 2010

"...nós somos o que somos..." - Florbela Espanca

Postado por Beli às 12:32 3 Engraçadinhos Links para esta postagem

"Nasci sensitiva e assim hei-de morrer, muito provavelmente... nós somos o que somos e não o que quereríamos ser; não te parece? Tens que me aceitar como eu sou visto que só assim eu creio que me possam ter amor"

Florbela Espanca 
Fonte: "Correspondência (1920)"




sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Crônica do Amor - Arnaldo Jabor

Postado por Beli às 19:03 5 Engraçadinhos Links para esta postagem
Crônica do Amor

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.
Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam. Então?
Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.
Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.
É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.
Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.

Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.

Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!

Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.

Arnaldo Jabor




terça-feira, 30 de novembro de 2010

CONTO ERÓTICO - Luís Fernando Veríssimo

Postado por Beli às 14:10 6 Engraçadinhos Links para esta postagem

CONTO ERÓTICO

-Assim ?
-É. Assim.
-Mais depressa ?
-Não. Assim está bem. Um pouco mais para...
-Assim ?
-Não, espere.
-Você disse que...
-Eu sei. Vamos recomeçar. Diga quando estiver bem.
-Estava perfeito e você...
-Desculpe.
-Você se descontrolou e perdeu o...
-Eu já pedi desculpa !
-Está bem. Vamos tentar outra vez. Agora.
-Assim ?
-Um pouco mais pra cima.
-Aqui ?
-Quase. Está quase !
-Me diga como você quer. Oh, querido...
-Um pouco mais para baixo.
-Sim.
-Agora para o lado. Rápido !
-Amor, eu...
-Para cima ! Um pouquinho...
-Assim ?
-Aí ! Aí !
-Está bom ?
-Sim. Oh, sim.
-Pronto.
-Não ! Continue.
-Puxa, mas você..
-Olha aí... Agora você...
-Deixa ver...
-Não, não. Mais para cima.
-Aqui ?
-Mais para o lado.
-Assim ?
-Para a esquerda !! O lado esquerdo !
-Aqui ?
-Isso ! Agora coça.

Luís Fernando Veríssimo




domingo, 28 de novembro de 2010

Selinhos

Postado por Beli às 15:29 6 Engraçadinhos Links para esta postagem
Ganhei da Nina do blog Doce Meio Amargo!!!
Obrigada Nina!!! ^ ^

Ele tem algumas regrinhas!!! 
- Repassar o selo para 10 blog
-Avisar a cada bogueiro
-Falar 10 coisas sobre você

10 coisas sobre mim:

Sou distraída/Adoro livros/ Minhas cores favoritas são preto, vermelho e roxo/Tenho olhos verdes/ Adoro seriados de TV/ Adoro doces/ Ouço vários estilos de rock /Sou miope/Não gosto de cozinhar/Tenho vontade de ir para a Europa.

Os blogs que indico:


E esse selinho foi oferecido pela Mih do blog Descalça!!!
Lindooo Mih!!!

sábado, 27 de novembro de 2010

Felicidade clandestina - Clarice Lispector

Postado por Beli às 12:11 7 Engraçadinhos Links para esta postagem
Felicidade clandestina
Clarice Lispector

LISPECTOR, Clarice - O Primeiro Beijo. São Paulo, Ed. Ática, 1996

Ela era gorda, baixa, sardenta e de cabelos excessivamente crespos, meio arruivados. Tinha um busto enorme; enquanto nós todas ainda éramos achatadas. Como se não bastasse, enchia os dois bolsos da blusa, por cima do busto, com balas. Mas possuía o que qualquer criança devoradora de histórias gostaria de ter: um pai dono de livraria.

Pouco aproveitava. E nós menos ainda: até para aniversário, em vez de pelo menos um livrinho barato, ela nos entregava em mãos um cartão-postal da loja do pai. Ainda por cima era de paisagem do Recife mesmo, onde morávamos, com suas pontes mais do que vistas. Atrás escrevia com letra bordadíssima palavras como "data natalícia" e "saudade".

Mas que talento tinha para a crueldade. Ela toda era pura vingança, chupando balas com barulho. Como essa menina devia nos odiar, nós que éramos imperdoavelmente bonitinhas, esguias, altinhas, de cabelos livres. Comigo exerceu com calma ferocidade o seu sadismo. Na minha ânsia de ler, eu nem notava as humilhações a que ela me submetia: continuava a implorar-lhe emprestados os livros que ela não lia.

Até que veio para ela o magno dia de começar a exercer sobre mim uma tortura chinesa. Como casualmente, informou-me que possuía "As reinações de Narizinho", de Monteiro Lobato.

Era um livro grosso, meu Deus, era um livro para se ficar vivendo com ele, comendo-o, dormindo-o. E completamente acima de minhas posses. Disse-me que eu passasse pela sua casa no dia seguinte e que ela o emprestaria.

Até o dia seguinte eu me transformei na própria esperança da alegria: eu não vivia, eu nadava devagar num mar suave, as ondas me levavam e me traziam.

No dia seguinte fui à sua casa, literalmente correndo. Ela não morava num sobrado como eu, e sim numa casa. Não me mandou entrar. Olhando bem para meus olhos, disse-me que havia emprestado o livro a outra menina, e que eu voltasse no dia seguinte para buscá-lo. Boquiaberta, saí devagar, mas em breve a esperança de novo me tomava toda e eu recomeçava na rua a andar pulando, que era o meu modo estranho de andar pelas ruas de Recife. Dessa vez nem caí: guiava-me a promessa do livro, o dia seguinte viria, os dias seguintes seriam mais tarde a minha vida inteira, o amor pelo mundo me esperava, andei pulando pelas ruas como sempre e não caí nenhuma vez.

Mas não ficou simplesmente nisso. O plano secreto da filha do dono de livraria era tranquilo e diabólico. No dia seguinte lá estava eu à porta de sua casa, com um sorriso e o coração batendo. Para ouvir a resposta calma: o livro ainda não estava em seu poder, que eu voltasse no dia seguinte. Mal sabia eu como mais tarde, no decorrer da vida, o drama do "dia seguinte" com ela ia se repetir com meu coração batendo.

E assim continuou. Quanto tempo? Não sei. Ela sabia que era tempo indefinido, enquanto o fel não escorresse todo de seu corpo grosso. Eu já começara a adivinhar que ela me escolhera para eu sofrer, às vezes adivinho. Mas, adivinhando mesmo, às vezes aceito: como se quem quer me fazer sofrer esteja precisando danadamente que eu sofra.

Quanto tempo? Eu ia diariamente à sua casa, sem faltar um dia sequer. Às vezes ela dizia: pois o livro esteve comigo ontem de tarde, mas você só veio de manhã, de modo que o emprestei a outra menina. E eu, que não era dada a olheiras, sentia as olheiras se cavando sob os meus olhos espantados.

Até que um dia, quando eu estava à porta de sua casa, ouvindo humilde e silenciosa a sua recusa, apareceu sua mãe. Ela devia estar estranhando a aparição muda e diária daquela menina à porta de sua casa. Pediu explicações a nós duas. Houve uma confusão silenciosa, entrecortada de palavras pouco elucidativas. A senhora achava cada vez mais estranho o fato de não estar entendendo. Até que essa mãe boa entendeu. Voltou-se para a filha e com enorme surpresa exclamou: mas este livro nunca saiu daqui de casa e você nem quis ler!

E o pior para essa mulher não era a descoberta do que acontecia. Devia ser a descoberta horrorizada da filha que tinha. Ela nos espiava em silêncio: a potência de perversidade de sua filha desconhecida e a menina loura em pé à porta, exausta, ao vento das ruas de Recife. Foi então que, finalmente se refazendo, disse firme e calma para a filha: você vai emprestar o livro agora mesmo. E para mim: "E você fica com o livro por quanto tempo quiser." Entendem? Valia mais do que me dar o livro: "pelo tempo que eu quisesse" é tudo o que uma pessoa, grande ou pequena, pode ter a ousadia de querer.

Como contar o que se seguiu? Eu estava estonteada, e assim recebi o livro na mão. Acho que eu não disse nada. Peguei o livro. Não, não saí pulando como sempre. Saí andando bem devagar. Sei que segurava o livro grosso com as duas mãos, comprimindo-o contra o peito. Quanto tempo levei até chegar em casa, também pouco importa. Meu peito estava quente, meu coração pensativo.

Chegando em casa, não comecei a ler. Fingia que não o tinha, só para depois ter o susto de o ter. Horas depois abri-o, li algumas linhas maravilhosas, fechei-o de novo, fui passear pela casa, adiei ainda mais indo comer pão com manteiga, fingi que não sabia onde guardara o livro, achava-o, abria-o por alguns instantes. Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina para mim. Parece que eu já pressentia. Como demorei! Eu vivia no ar… Havia orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada.

Às vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo.

Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante.


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

"Eu não tinha esse rosto de hoje..." - Cecilia Meireles

Postado por Beli às 21:16 5 Engraçadinhos Links para esta postagem
Em que espelho ficou perdida a minha face???

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Violência...

Postado por Beli às 17:55 7 Engraçadinhos Links para esta postagem
 Eu, pelo menos, não moro no Rio de Janeiro, mas assistimos o noticiário e bem sabemos no que a "Cidade Maravilhosa" está se transformando... A violência e a corrupção poluindo um dos mais belos cartões postais do mundo. Muitos são os culpados por isso, incluindo toda a sociedade.



Talvez, o problema maior esteja no ser humano... Todavia, a solução também está no ser humano.

"A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota."

Jean-Paul Sartre

"A violência destrói o que ela pretende defender: a dignidade da vida, a liberdade do ser humano."

João Paulo II

"A não-violência absoluta é a ausência absoluta de danos provocados a todo o ser vivo. A não-violência, na sua forma activa, é uma boa disposição para tudo o que vive. É o amor na sua perfeição."

Mahatma Gandhi



quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Chove. Há Silêncio - Fernando Pessoa

Postado por Beli às 18:04 7 Engraçadinhos Links para esta postagem
Chove. Há Silêncio

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Procura-se um amigo - Vinicius de Moraes

Postado por Beli às 20:53 8 Engraçadinhos Links para esta postagem

Procura-se um amigo


Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor.. Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.

Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.

Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.
Vinicius de Moraes



segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O que se passou quando Deus criou Adão e Eva? kkkk

Postado por Beli às 15:10 4 Engraçadinhos Links para esta postagem
Estava eu passeando pela net, até que me deparo com umas tirinhas de humor muito show. Adorei! Na verdade, eu já conhecia o blog do criador dos quadrinhos e é muito legal! O Blog é Um Sábado Qualquer e tem uma série em quadrinhos cujo personagem principal é "deus", mas nada ofenda ou religioso. Vale a pena conferir!

Acidentes acontecem...









Relacionamento... Deus, Adão e Eva rs.

Igual Semelhança...






 

Decepção...

Coisas que não deveriam ter sido criadas...


Filosofando... 
 

Finalmente alguém...

Instinto feminino...




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Deixa disso... Ok! Template by Ipietoon Blogger Template | Gift Idea